Jazz Collection Plus – #7 – Tim Maia

Jazz Collection Plus
Jazz Collection Plus
Jazz Collection Plus – #7 - Tim Maia
/

Nesta edição do Jazz Collection Plus, o seu ponto de encontro com a música de qualidade aqui na Rádio Social Plus Brasil, vamos falar deste um grande nome da música popular brasileira, que se notabilizou com seu timbre marcante e sem igual. Estou falando de Sebastião Rodrigues Maia, o nosso eterno Tim Maia.  Um dos responsáveis por introduzir na cena musical do nosso país gêneros como o soul e o funk e que também tinha suas raízes artísticas ligadas ao jazz. É isso mesmo!

Tim Maia nasceu e cresceu no Rio de Janeiro, conviveu na juventude com Jorge Bem Jor e Erasmo Carlos, chegou a ser fundador e a cantar com o “Rei” Roberto Carlos no antigo grupo chamado “The Sputiniks” e no início da década de 1960, emigrou para os Estados Unidos, onde começou a despontar com seu talento cantando em inglês.

Em 1959, ele ficou hospedado em Tarrytows, na casa de uma família que conhecera no Brasil, a 40 km de Nova York. A cidade com pouco mais de 11 mil habitantes abrigava a efervescência do jazz e da música negra e em sua passagem por lá, o nosso Tim, que era chamado pelos habitantes norte-americanos de “Jim”, porque não conseguiam pronunciar “Tião”, seu apelido da juventude, integrou uma banda de Twist e depois, foi convidado pelo músico americano Roger Bruno para se juntar ao “Ideals”.

Com a banda, Tim ficou responsável pela harmonia e pela guitarra e lançou um único disco, com uma das músicas em parceria com Roger Bruno chamada “New Love”.

Esta faixa, aliás, foi gravada em um compacto com a participação especial do percussionista Milton Banana e do contrabaixista de jazz e bossa nova Don Payne. Outro detalhe interessante é que a imprensa na época assemelhava o tom grave de Tim Maia com o de Barry White, além da influência da sonoridade do grupo “The Isley Brothers”.

A trajetória de Tim Maia nos Estados Unidos terminaria em 1964, após ser preso por roubo e porte de drogas e cometer algumas pequenas transgressões, como pular a catraca do trem e furtar comidas em supermercados. Porém, toda aquela energia e adquirida depois de beber daquela fonte foi fundamental para que ele se destacasse em terras tupiniquins.

Em 1968, produziu o disco “A Onda É o Boogaloo”, de Eduardo Araújo, trazendo a sonoridade da soul music para a Jovem Guarda, e teve uma de suas músicas gravadas pelo então já consagrado Roberto Carlos, “Não Vou Ficar”, para um álbum do “Rei”, em 1969.

A canção, que ainda fez parte do filme “Roberto Carlos e o Diamante Cor-de-rosa”, foi um grande sucesso e ajudou a abrir várias portas para que Tim Maia pudesse, enfim, começar seus primeiros trabalhos solo. Em 1969, sua carreira no Brasil se consolidou quando gravou um compacto simples com as músicas “What Do You Want to Bet” e “These Are the Songs” uma música que no ano seguinte foi regravada por Elis Regina em duo com ele e incluída no álbum “Em Pleno Verão”, da nossa saudosa “Pimentinha”, como era popularmente conhecida no meio musical.

Após ter gravado seu primeiro trabalho solo, que foi um compacto lançado pela CBS em 1968, que trazia duas músicas de sua autoria chamadas “Meu País” e “Sentimento”, e dois anos depois o seu primeiro álbum pela Polydor, por indicação da banda Os Mutantes, Tim Maia ganhou enorme projeção entre músicos e executivos da indústria fonográfica.

Além disso, ele também colecionou inúmeras polêmicas e episódios marcantes em sua carreira, como sua ida e desilusão da doutrina Cultura Racional, os “bolos” de última hora em shows e apresentações em programas de auditório e os muitos problemas de saúde que o acompanharam até o dia de sua morte, em 15 de março de 1998, quando nos deixou aos 55 anos de idade.

Para a gente encerrar esta edição do Jazz Collection Plus, resolvi separar aqui a faixa “Ela Partiu”, de Tim Maia, que ganhou uma releitura incrível em jazz. Lançada originalmente em 1976, a música foi amplamente recheada de saxes, trompete, trombone, piano, guitarra, baixo acústico, feita pela banda instrumentista Coisa Fina, durante o encontro Coisa Fina Sessions, confira no podcast.

Produção e apresentação: Leandro Massoni
Direção: Cleber Almeida

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.