Grândola e a senha para a revolução dos cravos em Portugal

Grândola e a senha para a revolução dos cravos em Portugal
Música Social Brasileira

 
Play/Pause Episode
00:00 / 7:13
Rewind 30 Seconds
1X

Grândola tem uma linda história a ser contada, pois ela foi a senha para a revolução dos cravos em Portugal.

Seja uma marcha, seja com o punk, sempre há beleza quando o assunto é música. Pelo pouco que sabemos sobre nossos amigos de Portugal se vê nesta música e como um jovem adolescente se encanta com a história antes mesmo de saber sobre ela.

Grândola é um pequeno povoado em Portugal. Quando o cantor foi para essa cidade, a convite para o aniversário da Sociedade Musical Fraternidade Operária Grandolense. Ele ficou tocado pela simplicidade e hospitalidade desse povo. Ele compôs uma música para tocar no evento, que acabou ganhando lançamento em disco.

Essa música foi cantada em um espetáculo em Lisboa, em 1974. Alguns espectadores, acabaram por perceber que essa música seria perfeita para sinalizar a todos que começassem a revolução, um comando que foi dado pelo simples tocar de uma música em um programa independente na rádio Renascença.

A revolução que marcou o fim da ditadura em Portugal partiu das ondas de uma rádio.

E o que isso teria a ver com a música brasileira?

Nos anos 80 era uma tarefa bem árdua descobrir novidades da música. Entre ondas de rádio e LPs e muita compra de risco, de tentativa e erro, me deparei com essa banda punk nacional, a 365, que fez uma versão para homenagear a canção grândola, nomeada Grândola Vila Morena e pude posteriormente relacionar as origens dessa música, quais suas intenções reais e como isso se relacionava com a época no Brasil, em que a versão fora lançada.

CADASTRE SEU E-MAIL PARA RECEBER CONTEÚDOS INCRÍVEIS COMO ESTE DIRETO EM SEU E-MAIL.

Apresentação: Marcelo Estraviz

Direção: Cleber Almeida

Marcelo Estraviz

Empreendedor social, palestrante e escritor, é fundador do Instituto Doar e conselheiro do Greenpeace, da Cidade Democrática e do Instituto Filantropia. Autor de 4 livros, entre eles, “Pause” sobre suas experiencias sabáticas.