O que o inverno nos traz?

Além de frio, o óbvio, uma grande oportunidade de atividades voltadas para o engajamento social, mesmo que alguma delas de forma pontual, mas sempre com muito valor para conhecer, experimentar e atuar em seu benefício com um resultado lindo para o próximo.

Este é um mito que temos que derrubar no trabalho voluntário, que fazemos o que fazemos somente pelo próximo, fazemos também e principalmente por nós, pois certamente se o trabalho proposto não nos agregasse nada não o faríamos.

O trabalho voluntário tem um papel fundamental em nosso bem-estar geral, ele ativa nossos sensores de sobrevivência, pois quando vamos para uma ação de ajuda e eu insisto em chamar de ajuda mutua, vamos em busca do “salvamento” de alguém, mas em geral o principal a ser “salvo” é o próprio “salvador”.

Confuso? Creio que não, pois o trabalho voluntário como o nome diz é algo pelo qual você vai em busca, e muito raro buscarmos algo que nos faz sofrer ou sentir-se diminuído, buscamos aquilo que nos faz crescer, que acrescenta em nossa vida, por isso ele é complementar ao nosso bem estar geral, nos propiciando melhorias sensíveis em nossa sensibilidade, nossa atenção ao próximo, nosso sentimento de pertencimento, a sensação de agradecimento, entre outros.

O inverno é uma das milhares de possibilidades de trabalhos voluntário sazonais, ajudar a distribuir roupas de frio, sopa, chocolate quente para aquecer, levar pessoas e animais desabrigados para albergues e/ou abrigos públicos ou filantrópicos, construção de casas, cuidados com a natureza, auxilio para famílias em situação de pobreza extrema com mantimentos e agasalhos e/ou cobertores para suportar o frio intenso, são algumas das formas de você colocar em prática este desejo de ajudar e ver um resultado imediato. Pois com o frio e a fome é assim, você tem que “curar” agora, pois daqui a pouco pode ser tarde demais.

Se ainda não experimentou, esta é a hora, o frio está aí mostrando para que veio e as necessidades estão também muito perto de você. Faça em grupo ou sozinho, mas experimente a sensação e tenho certeza que jamais se esquecerá do bem que fez a você e que como resultado teve o bem feito a alguém que precisava muito.

Roberto Ravagnani

Construindo Cidadania O autor é Roberto Ravagnani, palestrante, jornalista (MTB 0084753/SP), radialista (DRT 22.201), conteudista e Consultor de voluntariado e responsabilidade social empresarial. Voluntário palhaço hospitalar desde 2000, fundador da ONG Canto Cidadão, Associado para o voluntariado da GIA Consultores no Chile, fundador da Aliança Palhaços Pelo Mundo, Conselheiro Diretor da Rede Filantropia, sócio da empresa de consultoria Comunidea e Membro Engage for business. www.robertoravagnani.com.br