Jovens empreendedores criam máquina de costura para deficientes

Com um objetivo em mente e bem definido, os colegas Vanessa de Albuquerque Silva Sousa, 27 anos, Ana Maria de França, 32 anos, Charles Morais de Sousa, 17 anos, e Thalita Pereira da Silva, 18 anos partiram em busca da realização dele que tem como premissa a inclusão de deficientes físicos na indústria têxtil e criaram um protótipo do Acelerador Manual para Máquina de Costura Industrial Mecânica.

Segundo Vanessa, “Na máquina convencional usada pelas confecções, o processo de aceleração é feito com os pés, o nosso equipamento, o trabalhador pode usar as mãos ou os braços para conseguir o mesmo resultado. Isso permite que o setor abra espaço para pessoas com deficiência nos membros inferiores.”

Vanessa e Ana Maria, instrutoras do SENAI (Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial) em São Sebastião do Paraíso, Minas Gerais, uniram-se a Charles e Thalita, alunos da instituição, para participar do programa Inova SENAI, que tem como objetivo estimular projetos inovadores alinhados às necessidades da indústria brasileira.

A máquina ainda ajuda trabalhadores que já atuam no seguimento, pois durante o programa, perceberam que a invenção poderia melhora a ergonomia evitando dores e lesões musculares.

No final do ano passado, a invenção ganhou o primeiro lugar na categoria Processos Inovadores do Inova SENAI. Agora, os quatro colegas cuidam da formalização da empresa e negociam a venda do primeiro lote de máquinas para a confecção de lingerie Duzani, também de São Sebastião do Paraíso. “Por enquanto, só temos os protótipos. Mas já está tudo planejado para darmos início à produção”, diz Vanessa.